Avançar para o conteúdo principal

ALAIN DUCASSE AU PLAZA ATHÉNÉE - PARIS


Entre milhões de restaurantes que existem no mundo inteiro este é especial e diferente, não só pelo chefe que assina a carta como pela vista para o mítico monumento - Torre Eiffel  

O hotel foi inaugurado em 1911 e conta hoje com 154 quartos, vendidos em média por 1100 Eur./noite.

A entrada deste hotel é imponente, não deixando quaisquer dúvida relativamente ao que se poderá encontrar no seu interior. 


No respectivo lobbie cumprem-se rigorosamente todos os salamaleques característicos neste tipo de estabelecimentos.


A decoração da sala de jantar é majestosa, mas ao mesmo tempo sóbria. No centro está um enorme candeeiro com cristais Swarovski que deixa qualquer pessoa boquiaberta.


A cozinha é chefiada por Romain Meder – um discípulo de Hélène Darroze e na pastelaria é a reconhecida Jessica Prealpato quem assume os comandos.

Jessica Prealpato

Romain Meder e Alain Ducasse


A equipa do restaurante é constituída por cerca de 20 empregados de mesa e 20 cozinheiros para, aproximadamente, 20 clientes.

O serviço é rápido e pouco aborrecido. Aqui a mise-en-scéne é bem pensada. Nenhum pormenor é deixado ao acaso.


Não existem menus de degustação, apenas serviço à carta com cerca de quatro entradas, quatro pratos peixes, quatro pratos de carne e quatro sobremesas.
Cada prato custa entre 90 a 200 Eur.

No início da refeição foram-nos servidos um conjunto de snacks todos com sabores equilibrados, apenas com um ponto alto de sabor, que surgiu na tosta com fígado de tamboril.

Achei curioso um facto: à medida que terminávamos o prato, levantavam de imediato, isto é, não esperavam que toda a mesa terminasse. Se acontecesse em Portugal seria um ultraje ou até mesmo um facto inadmissível para um três estrelas (que ainda não temos, porquê? Também não sei!)

De todo o jantar o ponto menos positivo foi o prato de linguado (sem sabor) com uma salada de verdes e fermentados e um caldo escuro de peixe com sumo de couve fermentada, que pouco ou nada acrescentou ao prato. 

Depois é o que se sabe:caviar, caviar e mais caviar.

Antes do café visitamos ainda a cave do restaurante, onde amiúde o chefe Alain Ducasse promove degustações mais intimistas.

A média de 400 Eur. por cliente, neste jantar, faz sentido tendo em conta a localização. Quanto à relação preço/qualidade dos pratos, em Portugal, nesta categoria, estamos muito bem, senão melhor servidos.
Quanto ao serviço de sala (a melhor parte do jantar) estamos a anos-luz.



Tosta com fígado de tamboril

Humus e Citrus australasica

Quinoa e sardinhas fumadas

Lentilhas verdes, caviar e gelatina de enguia

Gamberoni e caviar

Vieiras e brioche de couve flor

Lavagante e nabos 

Rodovalho e legumes

Linguado au meunier

Arroz selvagem com choco e hidrófilas

Baba au rhum


Limão,alga kombu e estragão


Bombons para o café da fábrica de Alain Ducasse



Queijos : Comté 40 meses (maravilhoso,diga-se), Salers, Ardi-Gasna e Stilton



Obrigado a toda a equipa