CRIATIVIDADE (IN)CONSCIENTE

Publicado originalmente no ETASTE
Surge de forma consciente ou inconsciente. A parte consciente, a que controlamos, é gerida pelo lado mais racional, normalmente fechada sobre si. É o resultado do natural processo cognitivo. Esta pode ser afetada por fatores externos e até próprio estado de espírito. A parte inconsciente, a que não dominamos e nem sequer conhecemos verdadeiramente, é a responsável pelo nosso lado mais infantil e primitivo de toda a associação de ideias. Juntas são nada mais nada menos que sistemas organizados, quase automáticos na forma e no lugar. Servem-nos para agilizar o processo que se quer tão lento quanto possível.
Lentidão é a palavra-chave. A rapidez perturba quase sempre a tomada de decisões. Por isso não é bem-vinda, apenas na execução. A lentidão é por isso benéfica, pois resulta frequentemente, em vários processos difusos que se acumulam na desordem. A confusão ou mudança de perspetiva é obrigatória. A partir destas haverá, naturalmente, um início, e com is…

HALA KOKOTXA

Em Portugal torna-se mais comum nos últimos anos graças aos nossos vizinhos espanhóis, tão simples e sensível a mestria passa por não estragar.

Kokotxas:

Azeite guia
Sal MARCA
Fumet de peixe com cabeça de pesca
Vinagre espumante
Manteiga
Vinho branco

Saltear as kokotxas.
De seguida fazer a deglaçage com o vinagre e o vinho.
Deixar reduzir e ligar com manteiga.
Temperar com sal.





Vinagrete:

Caldo de peixe
Chalota
Vinagre espumante
Sumo de limao
Óleo de sementes de uva
Azeite guia

Temperar a mizuna e a flor de trevo com o vinagrete.